conversa-de-boteco-titulo

O nome dele é Roberto José de Oliveira, mas pode chamar de “Zé Manguaça”

moacir-luz

A “conversa de Bar” que inaugura esta página não podia ser com alguém mais qualificado para falar de boteco; “Manguaça”. Com 56 anos nascido na região de Sorocaba, se formou advogado e veio atuar profissionalmente em Campinas.

Aqui o trabalho o levou a criar calos nos cotovelos. Isso mesmo, seus cotovelos estão calejados de tanto encostar em balcão de bar/boteco. Daí o apelido que ele honra, inclusive.

Casado com pedagoga tem ainda duas escolas infantis em Campinas como fonte de renda e satisfação profissional. “Já temos alguns alunos”, eleva a voz para suplantar o som do grupo Velha Arte do Samba, no Tonico’s Boteco, na quarta, último dia do mês de maio.

Mesmo recebido com atenção especial pelo proprietário Paulo Henrique, “Manguaça” recusou a mesa para estar com a esposa. “Meu negócio é balcão! E ela me acompanha”, explicou diante da insistência.

A “Conversa de Bar” foi rápida e, como não podia faltar, coube nela uma receita de bom bebedor lógico. Espantado com o steinhager tomado puro por alguém da roda, saiu logo com a dica de quem sabe muito. “Peraí cara… assim não! Também curto muito steinhager, mas ele fica delicioso mesmo é com umas quatro folhinhas de hortelã, quebradas e levemente socadas no copinho”. Ele explica que gosta tanto da mistura que, para não correr o risco de não encontrar hortelã no bar onde quer beber, leva folhinhas da erva no bolso sempre que sai pensando em tomar um steinhager.

E não deu outra, do discurso à prática, apenas segundos… Viviane, a atenciosa garçonete do Tonico’s Boteco foi à cozinha e voltou com as folhas de Hortelã já dentro do copo com a bebida. Ele estrilou. Perguntou: “Você não quebrou as folhas. Me dá isso aqui que vou mostrar como fazer”. Segurou o copinho com uma das mãos e, com o dedo indicador da outra, socou as folhas da erva depois de quebradas por ele mesmo. Feito isto, o bom bebedor não oferece bebida sem antes provar: molhado, o dedo foi à boca que estalou de satisfação. “Agora sim está pronto, mas vamos dar uns minutinhos para descansar a mistura e depois provamos”.

De cotovelo no balcão minutinhos voam! Depois de duas ou três Petras, a nova cerveja escura que ronda o mercado, ele ofereceu o copo com a mistura aos da roda. “Puta merda, que delicia…” foi a exclamação ouvida.

Pronto, a primeira “Conversa de Bar”, do site do Tonico’s Boteco estava inclusive devidamente batizada por “Manguaça” com um Steinhager com Hortelã. Ah, não fale nada antes de provar!

Obrigado “Maguaça” e até qualquer balcão desses da vida.

Foto e Texto: Gilberto Gonçalves

VOLTAR