conversa-de-boteco-titulo

“NELSON SARGENTO ENFRENTA O BRIGADEIRO.”

moacir-luz

(em homenagem ao Dia Nacional do Samba 02/12/2014)

Na noite de sexta-feira, dia 28/11/2014, Nelson Sargento fez o Tonico’s boteco tremer, como nas outras mais de 20 vezes em que se apresentou aqui. No sábado voltou à casa para o almoço. Veio a caráter. Bermuda branca e camiseta verde e rosa com sua foto estampada no peito. “Olha, fizeram um montão quando me homenagearam como samba enredo da escola, me deram umas dez mas sumiram todas só ficou uma: esta que estou usando”

Diante do vasto e sofisticado bufet pinçou aqui e ali algumas verduras, legumes, nacos de queijos, tomates cereja e ovos de codorna. Sentou-se e pediu água com gás, limão e gelo, muito gelo. Também estavam à mesa seu filho Ronaldo, Paulo Henrique o proprietário do  Boteco eu a jornalista Cibele Vieira, do portal Clicknoticia que também publica este papo e do Jornal Alto Taquaral e que mereceu o elogio: “ficou melhor ainda agora com sua presença” depois de cumprimentar o sambista com um “boa tarde”.

E fomos comendo e conversando. Conversa entremeada de piadas contadas por ele. Em alguns momentos até falou sério, por exemplo, quando disse que gostaria de ter um filho piloto de avião. “Apesar de ter medo de avião eu vivo voando. E um filho piloto talvez ajudasse…” Também falou sério quando disse que “se tem uma coisa que gostaria de fazer ainda é aprimorar mais o que já faço, cantar, compor, pintar, gostaria de fazer muito melhor”.

Depois do prato que pareceu entrada pelo tanto de verde, voltou ao bufet e seguiu direto para a panela de feijoada. Mas o prato ficou apenas manchado com uma leve colheradinha de feijão e um naquinho diminuto de carne seca. “Só posso comer o feijão. Não dá para abusar não”. Branqueou o feijão preto com um pouco de arroz e de risoto de palmito que quando soube o que era torceu um pouco o nariz.

De nova naquela mesa ficou um tanto encabulado diante quando quiseram saber se ele havia tido muitas namoradas. “Depende do que vocês entendem por namorada. Tive muita amizade colorida. Muita”. Cortou o papo. Depois falou dos 11 filhos, 22 netos e 5 bisnetos. “Tem um filho meu que suplantou o pai. Teve 12 filhos”. Pensou um pouco, olhou pro alto e mandou ver: “Crescei e multiplicai-vos. Tá na bíblia. Então crescei e multiplicai.” Virou pra mim, me encarou e disse: “E você quantos multiplicou?”. Quando respondi duas vezes ele não perdeu tempo para retrucar: “Seu preguiçoso!”

Noel Rosa é seu compositor predileto e uma das razões “é que ele fez, há mais de cem anos, letras que são atualíssimas e servem direitinho pros nossos dia,s de pura malandragem”. E para quem não sabia, Nelson Sargento não é fanático em carnaval. “Eu respeito, mas dizer que  que sou fanático, não sou. Eu gosto de ver carnaval. Ficar lá no camarote só apreciando…”

Ah o brigadeiro… Não vamos esquecer não pois deve ter sido a melhor sacada dele. Depois do almoço, o bufet de sobremesas do Tonico’s  lhe foi indicado por todos. “Ah doce eu não posso, mas hoje ou fazer um sacrificiozinho” e lá foi ele em direção aos doces. “Pegue o brigadeiro que está uma delicia”, disse a jornalista Cibele Vieira. “Brigadeiro não pode!” ele quase esbravejou. “Mas não pode por que” ela perguntou?

– Por que o brigadeiro vai perguntar o que o sargento tá fazendo aqui no bar?”

E já que ele exaltou Noel, fica aqui uma lembrancinha: http://youtu.be/in9W6vHyI5k

E a despedida dele na noite de sexta-feira: http://youtu.be/6mB8HZOPSkM

Foto e Texto: Gilberto Gonçalves

VOLTAR