conversa-de-boteco-titulo

“Mamando leite de jumenta.”

moacir-luz

“Ora, ora, o que eu faço para me manter em forma com 86? É simples. Fui mamado com leite de jumenta!”

A declaração fora do usual é de ninguém menos que Evaldo Gouveia, sem dúvida alguma o maior seresteiro do Brasil como autor de mais de 1.200 composições. E foi esta figura peculiar de origem nordestina que esquentou a noite fria de 26 de julho no Tonico’s Boteco.

“Eu gosto mesmo é da noite. Adoro estar no meio do povo. E estar em Campinas, numa casa que tem tradição em música popular brasileira é uma satisfação muito grande. A cidade é uma terra muito boa. Eu até já operei o olho aqui.”

E como típico boêmio ele chegou reluzindo na sua camisa de seda vermelha e calça branca. Subiu no palco e engatilhou ver: “E lá vai a primeira canção de hoje. 1957, eu lá em Paris e ela aqui mandando ver… Alguém me disse, que tu andas novamente…” Depois, no finalzinho vercejou: “Me dá tua mão, porque a gente ainda vai dançar bolero no salão, porque embora olhando pra trás me vejo ainda rapaz e me sinto as vezes criança, o meu passado morreu e sou mais moço que eu na minha própria lembrança!”

E por fim desceu do palco solicito e se deixou fotografar com fãs, mulheres (que ele mais gosta) e homens também. Foi quando eu o emparedei e quis saber como ele fazia para manter a forma com 86 e quando ouvi a resposta que titula este papo. Caminhamos em direção ao camarim e quis saber se continuava bebendo. “Que nada rapaz agora vivo sem álcool nenhum. Não dá mais.”

Mesmo diante do prato de frango a passarinho, uma de suas predileções gastronômicas, aceitou atender o editor Paulo Reda do Jornal Destak, de Campinas que abriu espaço generoso para anunciar sua presença n o Tonico’s. “Muito obrigado. Ficou muito bom. Tô levando o jornal para incluir na coleção.”

Despediu-se dizendo que queria voltar ao Tonico’s novamente para cantar para muito mais gente. “Vamos bombar aqui novamente.”

Foto e Texto: Gilberto Gonçalves

VOLTAR